quarta-feira, 11 de julho de 2018

Como concluir uma redação...



Fechando a nossa trilogia textual, vamos hoje refletir sobre o último passo da construção do texto dissertativo-argumentativo: a Conclusão, que representa o fechamento da redação, a síntese do ponto de vista do autor sobre o tema, – ou uma Proposta de Intervenção, caso do ENEM –, depois de ele ter exposto seus argumentos ao leitor de forma clara e consistente.

Se o ponto de vista – a tese – do produtor textual já aparece na introdução e de maneira implícita no desenvolvimento, na Conclusão que ele pode reaparecer como Reafirmação do Ponto de Vista, ou seja, utilizando-se de outras palavras, o autor irá asseverar o seu posicionamento frente ao tema.

Veja, por exemplo, a Introdução de um texto cujo tema é Os acidentes de trânsito no Brasil:

“A população brasileira vem convivendo atualmente com uma situação somente comparável a uma enorme tragédia: a impressionante estatística de acidentes ocorridos no trânsito. Números recentes, informados diariamente pela mídia, nos dão conta que nunca se matou tanto no Brasil como nos tempos atuais. Faz-se necessário que a sociedade brasileira tome uma séria e urgente providência com relação a este assunto.”

E a Conclusão desse mesmo texto em forma de Reafirmação do Ponto de Vista:

“Um país sério, uma sociedade responsável, órgãos de trânsito que se dizem competentes não podem conviver com essa situação. É imprescindível uma tomada de posição para que essa guerra não declarada chegue logo ao seu final.”

No entanto, alguns exames de avaliação ultimamente vêm exigindo dos candidatos uma Proposta de Intervenção para o tema que, tradicionalmente, se refere a um problema social.

E, a seguir, uma Proposta de Intervenção considerada excelente apresentada por um candidato para o ENEM, de 2011: “Viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privado

“... é essencial que nessa nova era do mundo virtual, os usuários da rede tenham plena consciência de que tornar pública determinadas informações requer cuidado e, acima de tudo, bom senso, para que nem a própria imagem, nem a do próximo possa ser prejudicada. Isso poderia ser feito pelos próprios governos de cada país, e pelas próprias comunidades virtuais através das redes sociais, afinal, se essas revelaram sua eficiência e sucesso como objeto da comunicação, serão, certamente, o melhor meio para alertar os usuários a respeito dos riscos de seu uso e os cuidados necessários para tal.”

Alguns professores e analistas textuais sinalizam para a necessidade de o produtor textual usar a "criatividade" ao apresentar uma proposta de intervenção... Convenhamos: em um ambiente normalmente tenso, no qual o candidato não sabe qual será o tema proposto, sugerir uso de criatividade, parece um pouco nonsense.

Seja qual for sua escolha para concluir a sua produção, atente para o fato de ela estar em sintonia com a progressão textual, no que se refere às ideias defendidas por você ao longo do texto.

terça-feira, 3 de julho de 2018

Como argumentar...



Observe: argumentar é persuadir. Persuadir é tentar convencer. Convencer é vencer juntos. Ou seja, para conseguir a adesão do leitor à tese (ponto de vista, proposição) sobre determinada tema, o produtor textual produzirá um roteiro cognitivo que, talvez, ele nem se dê conta, mas que é imprescindível para alcançar o seu objetivo.

O texto dissertativo-argumentativo, como sabemos, é um gênero característico da área científica, que tem como objetivo modificar ou manter o pensamento do leitor em relação a um assunto, por isso as estratégias argumentativas a serem utilizadas são fundamentais para que o autor consiga o seu intento.

As estratégias argumentativas dizem respeito, por exemplo, à variante e ao repertório linguísticos a serem utilizados. Deve-se usar a modalidade padrão da língua e um vocabulário culto e variado. A oralidade será aceita, por exemplo, se ela vier como recurso irônico.

A clareza é outra estratégia que deve ser perseguida pelo autor; pois, se o texto proporcionar dificuldade de entendimento ao leitor, esteja certo que este não irá aderir a tese daquele. Aliás, a própria progressão textual também colabora com a engenharia argumentativa do texto.

Já os tipos de argumentação se referem aos modos dizer que irão persuadir o leitor. 

Veja os mais recorrentes:


Autoridade: utiliza-se o pensamento de alguém com referência no assunto abordado.
Ex. Quando expôs suas esculturas de corpos humanos em São Paulo, no ano passado, o artista inglês Antony Gormley comentou numa entrevista que lhe chamara à atenção a presença constante de pessoas estendidas pelas ruas do centro da cidade.

Causa e consequência: a argumentação é aceita por ser causa ou consequência de algum dado fornecido.
Ex. As pessoas que moram na ainda Cidade Maravilhosa convivem com situação somente comparável, talvez, a países em situação de guerra: são trabalhadores, mães de família, adolescentes que saem de suas casas e correm, constantemente, o risco de sofrerem algum tipo de violência, seja ela física ou psicológica.

– Comparação: estabelece o confronto entre duas realidades diferentes.
Ex. Atualmente, no Brasil e no Chile, fervilham movimentações por direitos sociais. Enquanto em nosso país vizinho estudantes vão às ruas pela melhoria do ensino público, aqui, ainda se busca o direito a condições mínimas de saúde, educação, segurança e decência política.

– Evidência: pretende-se conquistar o leitor por meio de provas.
Ex. De acordo com pesquisas veiculadas recentemente pela mídia, muitas pessoas estão deixando a linha de pobreza. Isto pode significar que exista um avanço na economia.

– Exemplificação: fatos contribuem para justificar a tese do produtor textual.
Ex. Grande parte da população invade as ruas por melhorias sociais, dentre elas a condenação daqueles envolvidos com a corrupção. Também seria um bom momento para pensarmos sobre nossas ações em furar filas, avançar sinais e outros pequenos deslizes.

– Princípio: a justificativa é um princípio, ou seja, uma crença pessoal baseada numa constatação (lógica, científica, ética, estética etc.) aceita como verdadeira e de validade universal.
Ex. A derrubada dos índices de mortalidade infantil exige tempo, trabalho e planejamento. E se o índice de mortalidade infantil de São Caetano do Sul, em São Paulo, foi o que mais caiu no país, conclui-se que esse foi o município do País que mais investiu tempo, trabalho e planejamento na área.

domingo, 24 de junho de 2018

Como começar uma redação...



Das três partes que compõem a estrutura dos textos científicos – introdução, desenvolvimento e conclusão –, alguns produtores textuais têm a Introdução como aquela que lhes traz maior tensão no ato inicial da escrita. Em princípio, isso seria esperado apenas no momento de elaboração dos argumentos. Mas...

A Introdução apresenta ao leitor o tema e a tese (ponto de vista) que o produtor textual defende em relação ao assunto. Já os argumentos, que darão suporte à tese defendida pelo autor, devem fazer parte do Desenvolvimento.

Para textos dissertativo-argumentativos a serem escritos com, em média, trinta linhas, recomenda-se a construção de apenas um parágrafo, em torno de quatro a cinco linhas.  E se este momento inicial costuma bloquear a sua criatividade, sugerimos algumas formas de você dar vazão a ela. Veja:
  

a) Declaração

Ex. É um grande equívoco a descriminalização das drogas. Nossos governos e a sociedade parecem não vislumbrar uma situação social que, certamente, trará problemas muitos mais graves que os atuais, com a possibilidade de se tornarem insanáveis.

b) Divisão

Ex. De um lado, adolescentes que se utilizam das redes sociais, com um desenvolvimento de causar inveja aos velhos, se utilizando de uma linguagem rápida, codificada e eficiente; de outro, professores temerosos de que essa forma de grafar vá até a sala de aula. Um pouco de atenção e análise fará o temor dos educadores vir por água abaixo.

c) Pergunta

Ex. Será que a transposição do rio São Francisco trará, efetivamente, para os nordestinos os benefícios que asseguram seus idealizadores? Não haveria outra forma de se conseguir esse objetivo sem trazer danos à natureza e aos habitantes das áreas ribeirinhas?

d) Frase nominal

Ex. Um caos. É o que se pode concluir das cidades brasileiras que estão recebendo, quase que diariamente, milhares de imigrantes vindos do Haiti, da Colômbia e de outros países da América do Sul. Seja fugindo das intempéries da natureza ou buscando crescimento profissional o fato é que esses imigrantes estão trazendo sérios problemas a algumas cidades brasileiras.

e) Citação direta

Ex. “Você não precisa queimar livros para destruir uma cultura. Basta fazer com que as pessoas parem de lê-los.” A frase do escritor norte-americano Ray Bradbury ilustra com maestria a contribuição incalculável que os livros possuem para a construção de nossas sociedades.

f) Citação indireta

Ex. Quando disse que os limites da sua linguagem denotam os limites do seu mundo, o filósofo norte-americano Wittgenstein evidenciou a importância que a linguagem possui não só para o desenvolvimento pessoal do indivíduo, mas sim da própria humanidade.

g) Adjetivação

Ex. Ineficaz. É o mínimo que se pode dizer sobre a política dos governos federal e estadual diante do aumento avassalador da violência nas grandes e médias cidades brasileiras. As ações realizadas até aqui não conseguem sequer minimizar a tensão vivida pelos seus habitantes.

h) Referência às Artes

Ex. Esperando encontrar um doador para o transplante de coração, o personagem Paulo, do filme 21 Gramas, representa o protótipo de alguém que necessita de uma doação de órgãos: uma luta diária regada a dor e a suspense. No Brasil, muitos “encenam esse filme”, pois o nível de doação se encontra aquém do esperado, enquanto a procura continua com alto índice nas estatísticas, e isso precisa mudar o mais rápido possível.

i) Contextualização histórica

Ex. Devido à sua natureza social, o ser humano, durante toda a sua história, dependeu dos relacionamentos para conviver em comunidade e assim transformar o mundo. Hoje, as redes sociais na internet adquirem extrema importância, visto que são os principais meios através dos quais as pessoas se relacionam diariamente.
Atualmente, concursos e instituições – como o ENEM – dispensam a presença de um título. Se houver exigência, elabore um enunciado curto e criativo que sirva, não de adorno ao texto, mas sim para despertar o interesse do leitor.