domingo, 26 de outubro de 2014


Viva João Ubaldo Ribeiro!

Vez em quando aparecem no linguajar brasileiro excrescências como “elencar”, “focado”, “tipo assim” e outras de igual naipe. O nascedouro dessas construções tem origem diversa: podem vir, por exemplo, de empréstimos de outras línguas, de novelas e programas de tevês, da oralidade do dia a dia dentre outros. E a sua repetição excessiva pelos falantes e produtores textuais se dá, provavelmente, por uma visão torta de que, ao usar essas construções, o usuário estaria em um contexto interativo superior ao seu oponente. Nada mais enganoso! Na verdade, elas mais empobrecem do que enriquecem o repertório linguístico do seu usuário, pois, se é repertório, como podemos nos mover linguística e diariamente com um número tão reduzido de palavras?!

No texto que hoje postamos, reverenciando um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos, o palavrão (fique à vontade para escolher o sentido que melhor lhe convier!) paralimpíadas é o mote para João Ubaldo apontar e disparar sua metralhadora afiada para os adeptos, repetimos, dessas excrescências linguísticas.

Dá-lhe, João!        


                                                                                                                                                                         Paralimpíada é a mãe!                                
Certamente eu descobriria no Google, mas me deu preguiça de pesquisar e, além disso, não tem importância saber quem inventou essa palavra grotesca, que agora a gente ouve nos noticiários de televisão e lê nos jornais. O surpreendente não é a invenção, pois sempre houve besteiras desse tipo, bastando lembrar os que se empenharam em não jogarmos futebol, mas ludopédio ou podobálio. O impressionante é a quase universalidade da adoção dessa palavra (ainda não vi se ela colou em Portugal, mas tenho dúvidas; os portugueses são bem mais ciosos de nossa língua do que nós), cujo uso parece ter sido objeto de um decreto imperial e faz pensar em por que não classificamos isso imediatamente como uma aberração deseducadora, desnecessária e inaceitável, além de subserviente a ditames saídos não se sabe de que cabeça desmiolada ou que interesse obscuro. Imagino que temos autonomia para isso e, se não temos, deveríamos ter, pois jornal, telejornal e radiojornal implicam deveres sérios em relação à língua. Sua escrita e sua fala são imitadas e tidas como padrão e essa responsabilidade não pode ser encarada de forma leviana.

Que cretinice é essa? Que quer dizer essa palavra, cuja formação não tem nada a ver com nossa língua? Faz muitos e muitos anos, o então ministro do Trabalho, Antônio Magri, usou a palavra "imexível" e foi gozado a torto e a direito, até porque ele não era bem um intelectual e era visto como um alvo fácil. Mas, no neologismo que talvez tenha criado, aplicou perfeitamente as regras de derivação da língua e o vocábulo resultante não está nada "errado", tanto assim que hoje é encontrado em dicionários e tem uso corrente. Já o vi empregado muitas vezes, sem alusão ao ex-ministro. Infutucável, inesculhambável e impaquerável, por exemplo, são palavras que não se acham no dicionário, mas qualquer falante da língua as entende, pois estão dentro do espírito da língua, exprimem bem o que se pretende com seu uso e constituem derivações perfeitamente legítimas.

Por que será que aceitamos sem discutir uma excrescência como "paralimpíada"? Já li alguns protestos na imprensa e na internet, mas a experiência insinua que paralimpíada chegou para ficar e ter seu uso praticamente imposto. Ao contrário dos portugueses, parecemos encarar nossa língua com desprezo e nem sequer pensamos em como, ao abastardá-la e ao subordiná-la a padrões e usos estranhos a ela, vamos aos poucos abdicando até de nossa maneira de ver o mundo e falar dele, nossa maneira de existir. Talvez isso, no pensar de alguns, seja desejável, mas o problema é que, por esse caminho, nunca se chegará à identificação com o colonizador que tanto se admira e inveja, mas, sim, à condição cada vez mais arraigada de colonizado, que recebe tudo de segunda mão, até suas próprias opiniões e valores.

Mas há um pequeno consolo em presenciar esse tipo de vergonheira servil. Consolo meio torto, mas consolo. Refiro-me ao fato de que nossa crescente ignorância não se limita a estropiar nossa língua, mas faz o mesmo com idiomas que consideramos superiores em tudo, como o inglês. Hoje isto caiu em desuso, mas smoking já foi aqui "smocking" durante muito tempo. Assim como doping já foi "dopping". Quanto a este, assinale-se que o som, digamos fechado, do O, em inglês, foi trocado aqui por um som aberto, é o dópin. O mesmo tipo de fenômeno ocorreu com volley, cuja primeira vogal em inglês é aberta, mas em brasinglês é fechada e já entrou no português assim.

No setor de nomes próprios, a vingança é mais completa. Em primeiro lugar, transformamos os sobrenomes deles em prenomes nossos e enchemos o País de jeffersons, washingtons, edisons (aliás, em brasinglês, Edson, como Pelé), lincolns, roosevelts e até mesmo kennedys e nixons. E não perdoamos os contemporâneos. Não só trocamos o H por E em Elizabeth, como até hoje há publicações que se referem a Margareth Thatcher, ou à princesa Margareth. Esse nome nunca teve H no fim, mas aqui é assim não só em muitos jornais quanto no caso de nossas meninas, como atesta o exemplo da minha linda e talentosa conterrânea Margareth Menezes. E das Nathalies que assim foram batizadas em homenagem a Natalie Wood. E dos Phellipes, inspirados no príncipe Philip, das Daianes da Diane, a lista não acaba.

De maneira semelhante, também alteramos não somente a pronúncia, mas as regras gramaticais do inglês. Por exemplo, é quase unânime, entre todos os numerosos militantes do brasinglês, a convicção de que qualquer plural inglês terminado em S deve ter essa letra precedida de um asterisco. Acho que é barbada apostar que, em todas as cidades brasileiras de médias para cima, serão encontrados pelo menos uma placa e cinco cardápios anunciando "Drink's". É mais chique e até o Galeão, não há muito tempo, tinha armários (lockers) de aluguel, encimados pelo letreiro "Locker's", o que fazia os falantes de inglês entender que os armários eram propriedade de um certo Mr. Locker. No Galeão, aliás, gate (portão) já soou como gay tea (chá gay) e shuttle service (ponte aérea) como chateau service (o que lá seja isso). Agora mudou, mas to (para) deu para sair um prolongado tchuu, que, a um ouvido americano, há de soar como uma onomatopeia de espirro ou partida de maria-fumaça.

Mas, até mesmo por causa ("por causa", não, por conta; agora só se diz "por conta", vai ver que vem do inglês on account of) dessas paralimpíadas, receio que as contraofensivas nacionais não serão suficientes para neutralizar a subordinação de nossa cabeça, através do incalculável poder da língua. Acho que, coletivamente, aspiramos a essa subordinação. Tem sido muito lembrado o complexo de vira-lata de que falou Nélson Rodrigues. Pois é, é isso mesmo e é também caminho seguro para sermos vira-latas de verdade.
João Ubaldo Ribeiro
O Estado de São Paulo
Acesso em: 19 de julho de 2014, às 14h33
Abraços Fraternos!

Paulo Jorge

sábado, 2 de agosto de 2014

Análise das Melhores Redações / ENEM 2010




A proposta de redação do ENEM / 2010 pedia que o candidato produzisse um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema “O Trabalho na Construção da Dignidade Humana” e ofereceu os seguintes textos motivadores: “O que é trabalho escravo” (Disponível em: http://www.reporterbrasil.org.br. Acesso em: 02 set.2010 (fragmento), “O futuro do trabalho”, do filósofo e ensaísta suíço Alain de Botton, em seu novo livro The Pleasures and Sorrows of Works (Os prazeres e as dores do trabalho, ainda inédito no Brasil) e ainda a seguinte construção matemático-linguística:



 Vejamos, a seguir, um exemplo de uma redação bem avaliada:


(Sem título)

Depois de inúmeras mudanças na sociedade, vive-se, hoje, um momento em que há, por parte de muitas pessoas, uma crescente busca pela realização profissional. Para elas, a profissão, muitas vezes, pode ter um grande significado na construção de sua identidade. Há, porém, aquelas pessoas que, sem ter escolha, aceitam qualquer trabalho como forma de sobrevivência, submetendo-se, assim, à desvalorização da sua humanidade.

O Brasil é um país que vem crescendo, principalmente nas últimas décadas. Essa crescente evolução traz uma tendência trabalhadora ao povo, que, por querer acompanhar o desenvolvimento, busca, cada vez mais, melhores empregos e salários, a fim de viver mais e melhor. Observa-se, nesse contexto, que o trabalho ganhou um valor de dignificação, já que, hoje, o fato de ter um emprego gera condições para uma boa vida.

Embora se observe esse grande desenvolvimento na nação brasileira, muitos defeitos permanecem inseridos nela. Alguns deles são a concentração de terras nas mãos de poucos e a enorme desigualdade social. Ambos favorecem a existência de pessoas que são obrigadas a se submeterem a trabalhos escravos, por exemplo.

Sabendo, portanto, da importância do trabalho na vida das pessoas e dos contrastes existentes no Brasil, deve-se tomar consciência de que o governo precisa dar mais atenção aos menos favorecidos financeiramente. Projetos sociais como o Bolsa Família ajudam, mas o que deve ser feito, na verdade, é investir mais em educação, buscando, assim, erradicar a miséria e a existência do trabalho desumano. Além disso, provavelmente, uma reforma agrária contribuiria para diminuir a desigualdade social, que é uma realidade que contribui para a existência desse tipo de escravismo.



 Análise da Redação


Parágrafo 1: O Tema – O trabalho na construção da dignidade humana – aparece apresentado de forma diluída no parágrafo o que já evidencia a competência frasal do produtor textual. A Tese aparece muito bem construída no último período do parágrafo introdutório: “Há, porém, aquelas pessoas que, sem ter escolha, aceitam qualquer trabalho como forma de sobrevivência, submetendo-se, assim, à desvalorização da sua humanidade.”

Parágrafo 2: Já no Desenvolvimento, o primeiro argumento do autor para embasar sua Tese diz respeito à necessidade que as pessoas têm em buscar melhores empregos para uma melhor qualidade de vida. Um argumento, convenhamos, previsível.

Parágrafo 3: Inicialmente, a informação “... a concentração de terras nas mãos de poucos e a enorme desigualdade social.” parece fugir à ideia de trabalho na construção da dignidade humana; no entanto, a sua relação com o enunciado “Ambos favorecem a existência de pessoas que são obrigadas a se submeterem a trabalhos escravos, por exemplo.” elimina a possibilidade de fuga ao tema, estabelecendo uma perfeita relação de causa e consequência. Este, sim, é um bom argumento. Observe, também, que neste parágrafo aparece um desvio gramatical grave em “Alguns deles são a concentração de terras...” O verbo “ser” deveria estar no singular, pois este verbo prefere concordar com o Predicativo do Sujeito.

Parágrafo 4: Uma Conclusão um pouco alongada, o que evidencia uma inabilidade no uso da concisão, embora a Proposta de Intervenção apareça muito bem elaborada em “... mas o que deve ser feito, na verdade, é investir mais em educação, buscando, assim, erradicar a miséria e a existência do trabalho desumano.”

Com apenas dois argumentos – um bom e outro previsível –, um desvio gramatical grave e uma Conclusão muito alongada, à redação do candidato deveria ser creditada nota 7, no mínimo, e 8, no máximo.

Abraços,

Paulo Jorge

sábado, 26 de julho de 2014

Análise das Melhores Redações / ENEM 2009


O ENEM 2009 propôs ao candidato dissertar sobre o tema "O indivíduo frente à ética nacional", em, aproximadamente, trinta linhas, levando em consideração uma charge de Millôr Fernandes (Disponível em: http://www2.uol.com.br/millor. Acesso em 16 de setembro de 2013, às 13h10), um texto de Lya Luft, retirado da revista Veja, e outro de Contardo Calligares, publicado no site http://www1.folha.uol.com.br, ambos refletindo sobre indignação e corrupção.

 
Veja, a seguir, uma redação que obteve uma excelente pontuação, neste exame:

Lágrimas de crocodilo

O Brasil tem enfrentado, com frequência, problemas sérios e até constrangedores, como os elevados índices de violência, pobreza e corrupção – três mazelas fundamentais que servem para ilustrar uma lista bem mais longa. Porém, mesmo diante dessa triste realidade, boa parte dos brasileiros parece não se constranger – e, talvez, nem se incomodar –, preferindo fingir que nada está ocorrendo. Em um cenário marcado pela passividade, é preciso que a sociedade se posicione frente à ética nacional, de forma a honrar seus direitos e valores humanos e, assim, evitar o pior.

Na época da ditadura militar, grande parte da população vivia inconformada com a atuação de um governo opressor, afinal, com as restrições à liberdade de expressão, não era possível emitir opiniões sem medir os riscos de violentas repressões. Apesar de uma conjuntura tão desfavorável para manifestações, muitos foram os movimentos populares em busca de mudanças, mesmo com as limitações na atuação da mídia. Talvez a sensação de um Brasil melhor hoje ajude a explicar a inércia da sociedade diante da atual crise de valores na política e em todas as camadas da população.

Muitos não percebem, mas esse panorama cria um paradoxo perverso: depois de tanto sangue derramado pelo direto de expressar opiniões e participar das decisões políticas, o indivíduo se cala diante da crise moral contemporânea. Nesse contexto, protestos se transformam em lamúrias, lamentações em voz baixa, que ninguém ouve – e talvez nem queira ouvir. Ou então em piadas, “ótimo” recurso cultural para sorrir e se alienar frente à falta de uma postura virtuosa. Assim, apesar de viver em um país democrático, o brasileiro guarda seus direitos – e os dos outros – no bolso da calça, pelo menos quando tem uma para vestir.

Para que o indivíduo não se dispa de sua cidadania, é preciso honrar o sistema democrático do país. Nesse contexto, o povo deve ir às ruas, de modo pacífico, para exigir uma mudança de postura do poder público. Além disso, a mobilização deve agir na direção de quem mais necessita, ajudando, educando e oferecendo oportunidades para excluídos, que vivem à margem da vida social, abaixo da linha da humanidade. Para tudo isso, entretanto, é preciso uma mudança prévia de mentalidade, uma retomada de valores humanos esquecidos, que só será possível com a ajuda da família, das escolas e até mesmo da mídia.

Por tudo isso, fica claro que o brasileiro deve parar de negar e de rir do evidente problema ético que enfrenta. Trata-se de questões sérias, cujas soluções são difíceis e demoradas, mas não impossíveis. Se a sociedade não se mobilizar imediatamente, chegará o dia em que as piadas alienadas e alienantes resultarão, para a maioria, em risadas de hiena. E, para a minoria privilegiada, imune – ou beneficiada? – à crise ética, restarão apenas olhos marejados.


Análise da Redação

Parágrafo 1: Tópico frasal construído com muita competência. Observe que os três períodos apresentam uma Introdução, um Desenvolvimento e uma Conclusão, nos quais são apresentados o Tema da redação – "O indivíduo frente à ética nacional" – e a Tese do autor sobre o tema “... é preciso que a sociedade se posicione frente à ética nacional, de forma a honrar seus direitos e valores humanos e, assim, evitar o pior.”

Parágrafo 2: Começa o produtor textual a relacionar seus argumentos que irão embasar sua Tese. E começando muito bem, pois busca em seu repertório cultural uma informação histórica que enaltece o comportamento do brasileiro no período ditatorial no País, emitindo uma comparação com os tempos atuais.

Parágrafo 3: Aqui, o candidato amplia sua reflexão sobre o comportamento do brasileiro, apontando sua estranheza sobre a acomodação da sociedade brasileira, numa época em que vivemos uma democracia plena.

Parágrafo 4: No último parágrafo do Desenvolvimento, o produtor textual sugere qual deve ser o comportamento político do brasileiro, além de já apresentar sua visão humanista – fundamental na redação do ENEM! –, sobre o problema, ao citar que “... a mobilização deve agir na direção de quem mais necessita, ajudando, educando e oferecendo oportunidades para excluídos, que vivem à margem da vida social, abaixo da linha da humanidade.”

Parágrafo 5: Na Conclusão, outro exemplo de um perfeito Tópico Frasal apresentando sua Proposta de intervenção "Se a sociedade não se mobilizar imediatamente, chegará o dia em que as piadas alienadas e alienantes resultarão, para a maioria, em risadas de hiena." e um período finalizador construído com refinamento textual: “E, para a minoria privilegiada, imune – ou beneficiada? – à crise ética, restarão apenas olhos marejados.”

Acrescente-se o uso correto da variante padrão da Língua Portuguesa e, também, a precisão na construção da Coerência e da Coesão textuais.

Realmente, um texto merecedor de alta pontuação, haja vista que o ENEM exige dos candidatos competências relativas aos conteúdos disciplinares do Ensino Médio. É bom não esquecer!

Abraços,

Paulo Jorge

sábado, 19 de julho de 2014

Análise das Melhores Redações / ENEM 2008


Com a aproximação das datas de realização das provas do ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio 2014, a partir desta semana e nas próximas três, vamos postar e analisar as melhores redações dos cinco últimos concursos desse concurso, a fim de refletirmos sobre as competências que compõem arquitetura textual do texto dissertativo-argumentativo e são cobradas no exame, aliás, essenciais, também, para outros exames e concursos.

O ENEM de 2008 pediu uma resposta para o seguinte enunciado: “Como preservar a floresta Amazônica”. Foram sugeridas três possibilidades:

1) suspender imediatamente o desmatamento;
2) dar incentivos financeiros a proprietários que deixarem de desmatar;
3) ou aumentar a fiscalização e aplicar multas a quem desmatar.

Inicialmente, vejamos uma redação sobre o tema que alcançou uma ótima pontuação:


(Sem título)

A floresta Amazônica vem sofrendo há muito tempo com o desmatamento, problema que compromete a realização natural do ciclo da água, prejudicando, assim, o funcionamento pleno deste bioma. Desse modo, é necessário preservar tal ambiente; e uma das maneiras de fazê-lo é a efetivação de pagamentos a proprietários de terra a fim de que parem de desmatar a floresta. Contudo, não se deve executar apenas esta ação.

O cumprimento de tal atitude pode, sim, diminuir o índice de desmatamento da Amazônia, já que os proprietários de terra podem utilizar este pagamento para suas necessidades ao invés do lucro que eles ganhariam se estivessem explorando os recursos naturais de forma exorbitante, o que significa que, pelo menos teoricamente, o padrão de vida desses indivíduos não seria alterado.

Por outro lado, há uma enorme probabilidade de que, mesmo recebendo dinheiro, alguns proprietários de terra continuem devastando a floresta para enriquecerem mais rapidamente, o que, com certeza, é uma evidência concreta da sociedade capitalista e ambiciosa contemporânea. Afinal, isto mostra que certas pessoas se preocupam apenas consigo mesmas, sem se importarem com o meio ambiente.

Além disso, devido à extensão territorial do Brasil, a verba enviada aos latifundiários da Amazônia pode não chegar a essa região, fazendo com que eles permaneçam desmatando-a. Outro motivo relevante para a ocorrência de tal evento é o fato de, infelizmente, existirem muitos corruptos neste país, os quais roubam parte do dinheiro.

Diante da problemática em questão, é indispensável que os ambientalistas promovam manifestações pacíficas que tenham como objetivo a conscientização dos adultos e do governo para que ambos compreendam que é necessária a preservação ambiental, pois só assim as gerações futuras terão meios de extrair da natureza o que é essencial para a sobrevivência.

Análise da Redação

Parágrafo 1: O produtor textual atendeu plenamente à proposta de redação, pois escolheu a segunda alternativa, ou seja, defendeu a ideia de “… dar incentivos financeiros a proprietários que deixarem de desmatar;” e colocou no parágrafo inicial do texto. Ao mesmo tempo em que defende sua tese em relação a sua escolha: “Desse modo, é necessário preservar tal ambiente; e uma das maneiras de fazê-lo é a efetivação de pagamentos a proprietários de terra a fim de que parem de desmatar a floresta.” Construção perfeita da Introdução.

Parágrafo 2: Para defender sua tese, o candidato apresenta seu primeiro e bom  argumento “… já que os proprietários de terra podem utilizar este pagamento para suas necessidades ao invés do lucro que eles ganhariam se estivessem explorando os recursos naturais de forma exorbitante…” com um Tópico Frasal constituído de Introdução, Desenvolvimento e Conclusão – nessa ordem, o que demonstra competência na progressão frasal.

Parágrafo 3: Aqui, o candidato faz uma contra-argumentação correta ao argumento citado: “Por outro lado, há uma enorme probabilidade de que, mesmo recebendo dinheiro, alguns proprietários de terra continuem devastando a floresta para enriquecerem mais rapidamente…”

Parágrafo 4: Neste parágrafo, o candidato falha, pois apresenta mais duas contra-argumentações o que prejudica a defesa de sua tese. Defender um ponto de vista apresentando apenas um argumento e três contra-argumentações é demonstrar inconsistência argumentativa.

Parágrafo 5: Chama à atenção negativamente, o fato de o candidato citar “manifestações pacíficas” em sua proposta de intervenção, uma vez que não houve referência a elas ao longo do texto.

Sem dúvida uma redação acima da média, com correção no uso da variante padrão da língua e coesão perfeitas, embora um pouco fragilizada pela engenharia argumentativa.

Abraços,

Paulo Jorge

Um Professor de Ética





















A memória já não era a mesma, não se lembrava, mas seus alunos garantiam. Ele – o garoto – era seu aluno há três anos e, ali mesmo, no ICEIA. Aliás, esse era o motivo – acreditava o velho mestre – para se sentir intensamente feliz em realizar aulas nas quatro turmas do matutino, do Ensino Médio, no igualmente velho bairro do Barbalho. Três anos seguidos trabalhando com os mesmos alunos deve ser o desejo de todo professor. Em um 2012 marcado por dias tão atribulados, mais que labuta, eram momentos plenos de conhecimento, alegria e afeto.


Ao longo do ano letivo, ele – o garoto – se acostumou a sentar-se no centro da turma, alternando de companhia o que revelava sua inclinação para, constantemente, ampliando a interação, ampliar seu círculo de amigos.

Nos momentos de leitura de textos, ele – o garoto – exibia seus olhos atentos, ávidos para beber novos conhecimentos. Parecia ao professor – não tinha certeza disso – que o aluno tinha uma predisposição para marcar sua presença no ambiente, haja vista que, em todas as aulas, o rapaz levantava a mão como a exigir um justo direito.

Faziam os alunos a última avaliação de um ano letivo magnífico para o professor. Momentos e alunos para serem guardados na memória e ficarem impregnados na alma.

De repente, ele – o garoto – faz uma pergunta sobre o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Desatento, o professor responde “sim” ao aluno.

Relembrava o mestre. A última vez em que houve uma empatia tão forte entre ele e seus alunos ocorreu no longínquo 1995, ano em que começou a lecionar. Uma Feira das Nações inesquecível selou uma relação de respeito e reconhecimento que atravessa os tempos.

Último dia do ano letivo, entrega de resultados e uma surpresa. Ele – o garoto – estava furioso:

– Professor, o senhor me disse que eu poderia utilizar a Ortografia Oficial vigente. O mestre ficou na berlinda. Não sabia o que fazer. Ou sabia e não tinha coragem de fazer. Melhor dizer ao aluno que o enunciado estava claro. Era uma saída possível. Fez isso.

– Mas eu perguntei ao senhor, e o senhor me disse que sim. Um golpe certeiro atingiu o mestre. Mas este ainda não se deu por vencido.

O senhor fala tanto em justiça, e agora? O senhor está errado, professor. Errado. A palavra ecoava em sua mente. Um nocaute implacável. Do embate, ele – o garoto – saiu-se vencedor.

Um filme passa na mente do mestre. Formando alunos e professores, prestes a completar vinte anos na Educação, nunca lhe tinha ocorrido algo semelhante. Um garoto, aos 18 anos de idade, lhe dá uma aula de conduta. E de ética.

Victor Lima Marques: um Professor de Ética!

Abraços,

Paulo Jorge

PS: Na noite do mesmo dia, o professor entra em contato com o aluno e lhe pede para ir à escola no dia seguinte para refazer a avaliação. E assim foi feito.